Como aumentar o reconhecimento de marca nas redes sociais

Comunicação Leia em 16 minutos

Quem tem um negócio, sabe muito bem qual é a medida da viabilidade: um empreendimento só é viável se puder vender seu produto ou serviço. E o que precisamos para isso? Muitos podem dizer que é preciso demanda atender a um desejo ou necessidade do mercado, bom preço, oferecer qualidade superior aos concorrentes. E, realmente, todos estes são fatores importantes. Mas não adiantam nada se os clientes não conhecem sua empresa! Portanto, um elemento primordial para conseguir vender seus produtos é o reconhecimento de marca.

Felizmente, com o advento da internet, está cada vez mais fácil aumentar o reconhecimento de marca da sua empresa, seja a nível local, nacional ou até global. E as mídias sociais exercem um papel muito importante nessa missão.

Neste post, abordaremos esse tema com profundidade, ensinando a você dicas práticas e apresentando as melhores ferramentas que podem ser utilizadas para firmar a identidade do seu negócio no mercado. Vamos lá?

O que é o reconhecimento de marca?

Vamos começar pelo básico, entendendo o conceito de “reconhecimento de marca”. Também chamado de “branding”, esta prática diz respeito às estratégias usadas por uma empresa para aumentar a exposição de sua marca frente aos seus stakeholders — os interessados, como clientes, fornecedores, investidores, parceiros, público interno e até mesmo concorrentes.

É importante perceber que, embora o reconhecimento de marca seja essencial para vender mais, ele não corresponde meramente à “propaganda” dos seus produtos. Na verdade, o foco do reconhecimento de marca é no próprio negócio — e, portanto, ele busca criar uma identidade muito mais aprofundada.

É por isso que parte do branding de uma empresa pode estar relacionado a demonstrar como ela se relaciona com o mundo e a sociedade. Um bom exemplo são as empresas que procuram criar uma imagem de sustentabilidade, responsabilidade social e ecológica.

Qual é a importância de uma estratégia de branding?

O branding vai muito além de criar uma logomarca. Ele engloba toda a experiência que um consumidor pode ter com a sua empresa, seja por meio das mídias sociais, da maneira como são tratados pelo telefone ou o cafezinho que é servido durante o atendimento. Tenha sempre em mente que, embora o foco deste artigo seja no reconhecimento de marca por meio das redes sociais, este assunto ainda vai muito além.

Pode ser um pouco intimidador pensar nessa definição ampla de “branding”, já que ela engloba tantos aspectos e detalhes. Em resumo, a sua marca é a maneira como o mercado (e, principalmente, os consumidores) percebe a sua empresa.

Aumentar o reconhecimento de marca é fazer com que, quando um consumidor pensar em “confiabilidade”, “inovação” ou “bom atendimento”, em determinado segmento de mercado, ele se lembre da sua marca. As empresas que conseguem fazer isso com sucesso tornam-se referência, como exemplo podemos citar as vencedoras de prêmios como o Top of Mind.

Agora que você entende como o reconhecimento de marca é amplo, fica mais fácil explicar, porque a estratégia de branding é essencial. Afinal, o consumidor não pode ter uma experiência com sua marca por meio das redes sociais e outra experiência, completamente diferente, quando está no seu escritório ou loja.

Logo, é preciso que haja um total alinhamento para que, não importa qual seja o canal qual uma pessoa tenha contato com sua marca, ela esteja sempre recebendo a mesma mensagem. Esse alinhamento só pode ser alcançado mediante uma estratégia bem definida, com metas e processos.

Como aumentar o reconhecimento de marca nas redes sociais?

1. Crie uma identidade visual forte

Já que o foco deste artigo é o reconhecimento de marca por intermédio das redes sociais, não podemos deixar de lado a questão da identidade visual. Apesar de já termos explicado que este não ser o único elemento estabelecedor da sua marca, ele é muito importante neste caso específico.

Afinal, não podemos esquecer o fato de que algumas das principais redes sociais da atualidade — como Instagram e Snapchat — são primariamente focadas em conteúdo visual.

Quando falamos em identidade visual, estamos nos referindo à aparência do seu conteúdo. Sua foto de perfil, sua foto de capa, suas postagens. Um material com aparência de impacto é importante, porque o cérebro humano lê e entende imagens melhor do que palavras. Além disso, estudos recentes, como uma pesquisa elaborada pela Socialbakers, demonstraram que o conteúdo visual gera mais engajamento.

Então, como criar uma identidade visual forte, capaz de gerar impacto e, ao mesmo tempo, promover um maior reconhecimento de marca? Bem, existem quatro elementos essenciais: a paleta de cores, as fontes, as imagens e os layouts.

A paleta de cores precisa ser consistente. Observe como marcas bem conhecidas usam sempre as mesmas cores, quer seja na logo, no texto ou nas imagens. Essa é a dica que você precisa adotar: escolher de duas a quatro cores, e usá-las repetidamente em todos os seus posts de mídia social.

Isso fará com que os consumidores se tornem mais familiarizados com sua marca. Por essa razão, faz sentido que as cores escolhidas estejam relacionadas à paleta da sua logo, se você já tem uma.

As fontes que você usa também precisam refletir a identidade da sua marca. Por exemplo, ela pode ser elaborada ou simples, bonitinha ou elegante, retrô ou moderna.

Você pode escolher três modelos diferentes — uma para títulos, uma para subtítulos e uma para o corpo do texto — e usá-las em todos os seus conteúdos nas redes sociais. Lembre-se de que a fonte do título é aquela em que você vai mostrar mais a personalidade da sua marca.

As imagens usadas nas suas redes sociais devem ser consistentes em relação ao tema. Vale a pena usar filtros para que a aparência das imagens fique padronizada. Se você puder produzir as imagens — tirando fotos, por exemplo — essa é a situação ideal. No entanto, é possível usar bancos de imagens on-line, que permitem filtrar pelo tema.

Em relação aos layouts, mais uma vez, consistência e padronização são as palavras-chave. Você pode elaborar um guia de estilo, para que todos os posts tenham o mesmo template. Por exemplo, se a logo faz parte das suas postagens, ela deve estar sempre na mesma posição. Você pode criar dois ou três templates, para diferentes tipos de postagens.

Outra dica importante é ter em mente que cada rede social usa medidas diferentes para imagens, o que pode influenciar na aparência das suas postagens. É preciso adaptar o tamanho das imagens para o Facebook, Twitter, Instagram e outras redes. Cuidado para que a fonte não fique distorcida nesse processo e também para que a imagem não perca a sua nitidez.

2. Estabeleça um padrão de linguagem forte

Embora o fator visual seja extremamente importante para o reconhecimento de marca nas redes sociais, não podemos ignorar o peso das palavras. Qual é a linguagem que sua empresa usa para se comunicar com o mercado? Isso reflete muito a personalidade da marca: jovial e próxima, ou tradicional e experiente, ou elegante e high-profile.

Independentemente de qual seja o estilo, você deve buscar comunicação autêntica, encontrando sua própria voz. Talvez esse seja o elemento mais difícil de dominar, já que é bem mais complexo do que simplesmente variar um aspecto gráfico e monitorar os efeitos que essa mudança tem no engajamento dos consumidores.

Porém, mesmo assim, é possível estabelecer metas, planejar, executar e ajustar, até encontrar a voz ideal — aquela que gera uma conexão mais forte com sua audiência nas redes sociais.

Quando falamos em “linguagem” nas redes sociais, há dois conceitos que andam de mãos dadas: voz e tom. Você pode entendê-los da seguinte forma: a voz é a sua marca, descrita por meio de um adjetivo, como fizemos lá no começo — jovial, tradicional, elegante.

Enquanto isso, o tom é um subconjunto de características que você pode acrescentar à sua voz para direcioná-la segundo um público, canal ou situação específico.

Aqui vai um exemplo. Se você tem uma loja de roupas para adolescentes de 15 a 18 anos, sua voz pode ser jovial, com um tom engraçado na maioria das postagens. Porém, se você tiver que publicar uma retratação nas suas redes sociais, provavelmente será mais adequado usar um tom sério, devido à situação. Mesmo assim, sua voz vai continuar sendo jovial. Assim, existe uma única voz para sua marca, e muitos tons que a refinam, conforme as circunstâncias.

Existe uma maneira interessante de determinar como a sua marca se comunicará verbalmente, por intermédio de uma fórmula com quatro partes. Essas partes são: persona, tom, linguagem e propósito.

A “persona” é a representação da sua marca na forma de uma pessoa. Como seria esse indivíduo? Você pode descrevê-lo com alguns adjetivos. O tom, como já vimos, pode ser engraçado, sério, honesto, pessoal, humilde, direto, técnico, entre vários outros. Lembre-se de que ele vai variar conforme a situação.

A linguagem seria, realmente, as palavras que você imagina que sua marca poderia usar. Será que você usaria jargões ou gírias, por exemplo? Finalmente, o propósito é o seu objetivo, ao se comunicar com sua audiência. Você quer engajar, entreter, educar, informar ou quem sabe até mesmo vender?

Depois de colocar todas essas informações no papel, você terá uma perspectiva mais clara do tipo de linguagem que pode usar em seu branding nas redes sociais. Assim como aconteceu com a identidade visual, consistência é indispensável. Comprometa-se com essa linguagem, para que a audiência não fique com a impressão de que, a cada dia, uma pessoa diferente está gerenciando o perfil da sua empresa.

3. Saiba educar seu mercado

Você sabia que uma marca pode educar o mercado? A influência entre empresas e consumidores não é unilateral. Pelo contrário, você pode ensinar aos consumidores que eles precisam de alguma coisa — do seu produto ou serviço — antes de tentar vender qualquer coisa a eles. Isso fica muito mais fácil, é claro, quando o mercado reconhece a sua marca e sua autoridade.

No entanto, é preciso estar atento. Existe uma grande diferença entre educar o mercado e vender. Muitas empresas acreditam que estão educando os consumidores, ao falar sobre as características, vantagens e benefícios de seus produtos. Porém, o que é de fato relevante para o consumidor é como entender melhor e resolver seus próprios problemas.

Em geral, o consumidor prefere comprar da empresa que o educou sobre o assunto e apresentou soluções. Esse empreendimento construiu uma relação de confiança e, portanto, ganhou a preferência e fidelidade do consumidor no futuro.

Além disso, existe outra vantagem em educar seu mercado. Ao fazer isso, você desenvolve uma base de clientes com mais conhecimento sobre o assunto e que, portanto, se tornarão melhores divulgadores da sua empresa. Em outras palavras, você está fortalecendo também o marketing de referências — o famoso boca a boca.

E como educar seu mercado por meio das redes sociais? Para isso, é essencial que os seus conteúdos sejam focados no consumidor e não na sua empresa. Para determinar temas, por exemplo, você precisa se perguntar: o que esse consumidor quer saber? O que ele precisa aprender para se aproximar mais da minha empresa?

Tenha em mente que esse é um processo de longo prazo. Muitos consumidores não possuem nenhum conhecimento sobre o seu produto; aliás, talvez eles nem saibam que têm um problema ou desejo não atendido. Portanto, os seus conteúdos precisam partir de pressupostos muito simples  e se desenvolver em cima destes assuntos.

É por esse motivo que o planejamento é tão importante. Cada post que você desenvolve deve ser uma pedra a mais, conduzindo a audiência por um caminho que, no final, poderá levar a uma venda (uma venda consciente, na qual o comprador toma uma decisão bem informado). Você não pode pensar em cada post como um fim em si mesmo. Nós falaremos mais sobre este assunto nos próximos itens.

Quais são as especificidades no ambiente das redes sociais?

Nós falamos tantas vezes que este artigo é voltado especificamente para o branding em redes sociais, que você pode estar se perguntando: mas, afinal, este canal é diferente dos meios tradicionais de marketing? Sim, realmente, as redes sociais, apresentam algumas características únicas.

Em primeiro lugar, ao contrário de muitos meios tradicionais, estas mídias criam um ambiente propício para que os consumidores respondam à sua empresa. Isso está muito relacionado ao conceito de engajamento, que é um dos indicadores de sucesso de qualquer estratégia de branding em social media.

Por exemplo, quando você posta algo no Facebook de sua empresa, você recebe muitos comentários? Uma vez que a possibilidade de comentar existe, a ausência desta interação aponta imediatamente que sua estratégia não está obtendo sucesso em engajar a audiência em uma conversa.

Outra característica importantíssima das redes sociais é o foco no relacionamento. Pense no e-mail marketing tradicional, panfletos, anúncios em televisão: esses meios são muito limitados e, por isso, as empresas precisavam ser muito objetivas. O foco era vender. Porém, as redes sociais não têm essa limitação.

Logo, o foco de qualquer ação desenvolvida por intermédio delas passa a ser o desenvolvimento de um relacionamento mais profundo com os consumidores antes da venda. Isso é feito por mio do conteúdo que você divulga, que diferenciará a sua empresa dos concorrentes. Por essa razão, o seu material precisa ser autêntico e personalizado.

Finalmente, podemos dizer que, com as redes sociais, você está muito mais no controle do branding da sua empresa. Mesmo usando uma agência especializada para ajudar com os aspectos mais técnicos e com o gerenciamento no dia a dia, você ainda tem muito mais liberdade, autonomia e controle para criar um planejamento de marketing e branding que seja capaz de representar sua marca e de trazer os resultados que você espera. Nós vamos falar mais sobre a questão do planejamento no próximo item.

Como estruturar o planejamento de conteúdo?

Em primeiro lugar, você precisa começar com um plano de comunicação que esteja alinhado com os objetivos do seu negócio. Este plano não é voltado especificamente para redes sociais, mas serve como referência para a comunicação estabelecida com clientes em qualquer canal.

O planejamento de conteúdo para estas mídias vai partir deste plano mais geral, garantindo que haja consistência na experiência que os clientes têm com sua marca, independentemente do meio de contato. Para estruturá-lo, responda a cinco perguntas básicas:

  • O que nós estamos tentando alcançar por meio das redes sociais e como estes objetivos se alinham às metas do negócio?
  • Que histórias nós queremos contar e como podemos fazer com que elas sejam relevantes para nossa audiência?
  • Qual é o perfil da nossa audiência e a que tipos de conteúdo eles respondem melhor?
  • O que nossos concorrentes fazem em suas estratégias de branding nas redes sociais, e como isso está funcionando para eles?
  • Como nós vamos medir o sucesso de nosso conteúdo, otimizar e melhorar os resultados?

As respostas servirão como uma forma simples de guia para dar mais foco ao trabalho da equipe que estará envolvida nessa atividade.

Outro ponto importante no planejamento do conteúdo é o calendário de postagens. Você pode criar um calendário de três meses, e organizá-lo de acordo com o canal (Facebook, Twitter, Instagram, Pinterest, Snapchat) e também de acordo com o conjunto de histórias que precisam ser contadas (história da sua empresa, assuntos para educar o mercado, pesquisas de opinião junto à audiência, informações sobre produtos).

Ao longo do tempo, você identificará qual frequência e horários funcionam melhor para sua audiência. Outro ponto que também será acertado com o tempo é o tipo de conteúdo (tema e formato) que se encaixa melhor em cada rede social, já que o perfil de usuário varia de uma para a outra.

Qual é a eficiência da mídia paga em uma estratégia?

As redes sociais incorporaram algumas ferramentas pagas que podem ser muito úteis para quem está desenvolvendo uma estratégia de branding, em relação à divulgação da sua empresa. Afinal, como vimos no começo, o foco do reconhecimento de marca é justamente fazer com que mais pessoas conheçam e identifiquem sua empresa por meio de um conjunto de características-chave.

Para isso, é importante que o máximo de pessoas chegue ao seu perfil nas redes sociais, o que pode ser acelerado com a mídia paga. Um dos principais exemplos é o Facebook Ads, que permitem promover uma postagem da sua timeline para mais pessoas que possam estar interessadas naquele assunto. Seu funcionamento é bem parecido com os links patrocinados do Google.

Uma das maiores vantagens da mídia paga é o fato de que ela é altamente direcionada. Ou seja, ao criar seu anúncio, você pode selecionar diversas características do perfil de usuários que deve visualizar seu anúncio. Entre eles, estão faixa etária, sexo, localização e até mesmo interesses.

Mas os Ads não são a única forma de usar um recurso pago para alavancar o perfil de seu negócio nas redes sociais. Postagens patrocinadas também são uma boa opção, na medida em que você pode usar um intermediário relevante — um “influenciador” — para divulgar opiniões sobre seu produto ou serviço.

Logo, toda a audiência daquele influenciador conhecerá a sua empresa, com a vantagem de ter uma recomendação de alguém em quem esses consumidores confiam.

Porém, não se esqueça de que é preciso conhecer bem as melhores práticas de uso desta ferramenta, para tirar um bom proveito delas. Por exemplo, alguns Ads podem ser cobrados por clique ou a cada 1.000 visualizações. Para determinar qual opção trará o melhor custo-benefício, é preciso conhecer a mecânica por trás de cada uma.

Como você pôde perceber, as redes sociais oferecem um ambiente único, com diversas vantagens, para promover o reconhecimento de marca. Por intermédio delas, é possível construir um relacionamento mais profundo com o consumidor, produzir um diálogo com ele, educá-lo sobre como seu produto pode trazer soluções para problemas que ele vivencia e conquistá-lo para que, futuramente, ele se torne um cliente fiel.

Para que isso seja possível, no entanto, é preciso empenhar-se para criar uma boa estratégia e planejamento. Isso envolve aspectos visuais, linguagem e também o cronograma de conteúdos gerados ao longo do tempo.

O branding nas redes sociais é um trabalho contínuo e de longo prazo. Consistência é a palavra-chave. Saber usar ferramentas adicionais, como as mídias pagas, também pode fazer uma grande diferença para alcançar o sucesso com essa atividade.

Quer saber mais sobre reconhecimento de marca, e outros temas ligados ao marketing digital? Então, siga o perfil da Feijão com Arroz no Facebook, LinkedIn e também acompanhe nossos vídeos no YouTube!

Quer compartilhar?
  • imagem empreendedor escalando montanha
Empreendedor ideias conteudo email

Que tal o melhor conteúdo sobre empreendedorismo para você ter sucesso nos negócios?

Faça como centenas de nossos leitores: