Feijão com Arroz

Serviços de design na medida

Menu

Vale a pena abrir um negócio em 2016?

Empreendedorismo Leia em 6 minutos

A situação mais comum quando ouvimos que determinada região ou um setor específico está em crise é que os negócios estão fracos. Investimentos são cancelados, ofertas são adiadas, empresas são fechadas, já que o mercado teme por uma diminuição da procura por parte dos clientes. Mas será que abrir um negócio quando o mercado está em crise é, de fato, algo prejudicial? Há algo que possa ser feito para minimizar estes riscos e fazer um negócio prosperar em tempos mais difíceis?

Leia nosso artigo de hoje e descubra a resposta para estas — e outras — questões.

E se todo mundo pensar igual?

Já pensou se, nos momentos difíceis, todos aqueles que pretendem abrir um negócio próprio hesitassem e resolvessem adiar os planos? Ou, ainda, outro raciocínio muito simples pode ser o das empresas que já estão no mercado: o que elas fazem para sobreviver? Elas se reinventam! E é assim que tem que ser para quem já está no mercado.

Se você ainda está pensando em iniciar as suas atividades, a situação de crise pode beneficiar você. Um negócio, no início, sempre apresenta dificuldades — isso é normal. Afinal, o tempo é necessário para recuperar o investimento e para começar a gerar lucro e, por isso, são fatores importantes a serem considerados.

Essa não foi a primeira crise enfrentada pelos brasileiros e não será a última. Analisando o histórico de ocorrências que geraram movimentos recessivos no mercado, nenhuma delas durou por muitos anos. Da mesma forma que os ventos favoráveis ocorridos no início da década passada foram sobrepostos, os tempos ruins tendem a diminuir com o tempo, trazendo relativa normalidade aos negócios.

A hora pode ser agora

Um negócio que está começando suas operações normalmente demora a crescer. Então, se você está em um mercado em crise, você deve investir seu tempo em estratégias para atrair os clientes, estabelecer-se no mercado, ganhar confiança dos credores e dos fornecedores e deixar o processo produtivo e os procedimentos administrativos cada vez mais profissionais.

Com o passar do tempo, o seu negócio já estará estabelecido e seus procedimentos internos já estarão ajustados. Esperar até o mercado apresentar sinais de melhora pode até ser mais seguro, mas pode também ser menos lucrativo, pois você ainda terá todas as etapas de profissionalização e de estabelecimento de marca no mercado para serem consolidadas.

Então, por que não começar a se estabelecer agora?

Meça os riscos e faça seu negócio mostrar as falhas na crise

Use o tempo de crise para testar seu modelo de praticar negócios e já veja as falhas para corrigi-las nos tempos de “vacas magras”.

É um risco investir quando está todo mundo pensando em segurar os investimentos? Pode ser, mas com os riscos calculados e com a consciência de que alguns dos negócios mais bem-sucedidos ganharam destaque justamente nos momentos em que não se achava que seria possível: durante as crises. Portanto, começar agora, pode sim ser uma ótima opção.

Se você tem uma boa ideia e um capital para abrir um negócio, mãos à obra

Seja porque perdeu um emprego, porque ganhou uma herança ou, simplesmente, porque vislumbrou a oportunidade de empreender, a crise é o momento. Este cenário assusta não somente quem pretende iniciar um novo negócio, mas todas as pessoas. Mas com o que elas se preocupam? Com a insegurança e com a incerteza!

Busque oferecer um produto ou um serviço diferenciado, pesquise sua futura clientela, veja as necessidades que ela possui e analise o que seus futuros concorrentes estão oferecendo. Como você ainda é apenas um cliente, você pode ver coisas que seu concorrente talvez não tenha visto.

Identifique oportunidades analisando a crise

O que mais tem sido noticiado nestes tempos turbulentos? Aumento do desemprego, enfraquecimento da nossa moeda e corrupção desenfreada. Mas dependendo do seu negócio, o impacto destas ocorrências pode ser mínimo nas atividades operacionais.

Vamos analisar o seguinte cenário: você é uma dessas pessoas que está sem emprego e com dificuldades em relação ao seu futuro. Você evitará os importados pela alta do dólar, mas não deixará de levar a sua vida, nem que seja com mais simplicidade. Aí pode estar um ponto a ser explorado.

Mas que mercados devo explorar?

Alimentação, serviços básicos de estética, educação, marketing digital e conserto de bens duráveis, tais como celulares ou computadores. Esses são alguns dos mercados que podem ser explorados.

Inclusive, é preciso levar em conta que, não importa qual deles vocês escolha, seu negócio precisará aparecer e, para isso, a propaganda dele será fundamental. Neste cenário, o marketing digital é uma forma de divulgação que entende as necessidades e faz com que o próprio cliente encontre o seu produto ou serviço. Isto é, ele inverte a ordem da propaganda tradicional, que, geralmente, vai atrás do cliente.

Consertos de eletrodomésticos, de móveis e de aparelhos eletrônicos são demandas constantes. Por isso, surgem como boas oportunidades para os momentos de crise. Por que não oferecer serviços de atendimento diferenciados, tornando a experiência dos clientes melhores e únicas?

O mercado de ensino a distância

Há diversas maneiras de se educar e um empreendedor deve estar ciente delas. A educação a distância, além de reduzir custos para quem decide fazer um curso desta modalidade, oferece uma maneira mais cômoda de ampliar os conhecimentos.

O negócio de ensino a distância permitiu às empresas a obtenção de um cliente que antes não era sequer imaginado para empresas deste setor em decorrência das dimensões geográficas do nosso país. Há 10 anos, que instituição de ensino localizada na Região Sul imaginaria poder ter como aluno um morador da Região Norte ou Nordeste?

Atualmente, isso não só é possível, como é realidade no setor de educação a distância. Não há a dependência exclusiva do mercado regional quando o assunto é educação. A saúde financeira de um negócio concebido com este foco tende a se manter estável mesmo em tempos de crise.

O Brasil é uma potência quando o assunto é estética

A estética é algo que resiste a qualquer crise. Os negócios de empresas deste setor sempre crescem, visto que a população brasileira, em geral, é bastante vaidosa. É muito comum ver pessoas se preocupando com uma boa aparência, seja na busca por um novo emprego, seja em ocasiões festivas.

Em termos de gastos com serviços e procedimentos estéticos, os brasileiros apenas gastam menos que os norte-americanos, o que faz deste mercado extremamente atrativo para os empreendedores em qualquer época.

A força do setor de alimentação

Outro setor que vive aquecido é o de alimentação. Mas vale uma ressalva: não se trata de alimentação como todos os seus concorrentes já fazem.

Busque criar diferenciais competitivos para o seu negócio, pois o mesmo produto — neste caso, o alimento — pode ser oferecido ao seu cliente de inúmeras maneiras distintas, fazendo com que a experiência dele ao consumí-lo seja única. Certamente, ele voltará e indicará mais clientes.

Abrir um negócio em tempos de crise é um risco, mas é um grande teste para o empreendedor. Isso porque esta ação o deixará mais preparado a passar por eventuais contratempos no futuro, já que iniciou o negócio no meio de uma tempestade.

Sabendo como lidar com a maioria dos problemas, o empresário se torna capaz de desenvolver seu negócio em tempos mais calmos. Já pensou em criar um negócio e esbarrou na crise? Conta nos comentários como foi a sua experiência!

Quer compartilhar?
Empreendedor ideias conteudo email

Que tal o melhor conteúdo sobre empreendedorismo para você ter sucesso nos negócios?

Faça como centenas de nossos leitores: